Histórico da proibição da Maconha

maconha-escravosA relação da maconha com a humanidade é intrínseca, ou seja, desde os primórdios elas coexistem, não podendo ser datado o primeiro contato. Acreditasse que a agricultura de Cannabis date da mesma época que a humanidade dominou essa técnica, sendo a primeira planta a ser cultivada sem que tivesse fim alimentício.

O primeiro papel feito pelos chineses era, provavelmente, de fibras de cânhamo. Esse povo a utilizava , principalmente, como fibra para papel e tecidos e, também, para fins medicinais. Os primeiros relatos do uso para fins religiosos e espirituais são oriundos da Índia, onde era considerada uma planta enteógena, ou seja, com a capacidade de despertar os deuses. Data de 1500a.C os escritos religiosos que consideram a maconha o alimento predileto do deus Shiva.

Assim, mesmo tendo como origem a Ásia Central e os férteis campos aos pés do Himalaia, a Cannabis rapidamente se espalhou por todo o continente. No Oriente Médio também se adaptou muito bem, tanto ao clima como às praticas sociais. Como a religião muçulmana vetava o uso de álcool, o haxixe passou a ser usada como alternativa para alcançar efeitos psicoativos. Com as invasões árabes dos séculos IX a XII a maconha alcançou o norte da África, chegando ao Egito, Argélia e Marrocos. Mas foi somente durante as cruzadas que chegou a Europa.

Na Europa, passou a ter seu uso mais vasto até então. Usava-se para praticamente tudo e a vida europeia passou a estar ligada com essa planta de forma ainda não vista. O primeiro livro impresso na prensa de Gutemberg foi produzido com papel de cânhamo, assim como as cordas e velas das caravelas das Grandes Navegações, também se utilizava o óleo de Cannabis como a segunda opção de combustível para iluminação pública (a primeira era óleo de baleia) e para confecção das tintas utilizadas para pintas os quadros da renascença, cuja as telas também são feitas de fibras de cânhamo.

Em 1783, Portugal criou a “Real Benfeitoria de Linho-Cânhamo”, com ordens de plantar cânhamo nas novas terras da Colônia Brasil com objetivo de suprir a crescente demanda internacional pelos derivados dessa planta. A primeira fazenda foi instalada no sul da colônia, onde hoje é o estado do Rio Grande do Sul, mas também financiou fazendas de cânhamo no Pará, Amazonas, Maranhão, Bahia e Rio de Janeiro, locais em que a planta se adaptou melhor. Mas a Cannabis talvez seja a única planta a ser introduzida no Brasil tanto pelos Portugueses colonizadores como pelos negros escravos vindos de angola, que traziam sementes escondidas nas vestes ou de outras formas, porém os negros costumavam fumar, daí o nome “fumo de angola”.

Existem, ainda, relatos de que os escravos a plantavam escondida nos canaviais, ou durante o período da entressafra da cana. Devido ao seu viés socializador, pois costuma ser usada em grupo, alguns pesquisadores acreditam que seu uso pelos negros era uma forma de resistência a desafricanização, ou seja, uma forma de manterem parte de sua cultura e costumes nativos ainda vivos, mesmo convivendo com o fato da escravidão. Há relatos, inclusive, de seu uso nos rituais do candomblé, o que a demostra como importante fator socio-cultural para a comunidade negra no Brasil colônia.

Em 1798, houve a primeira tentativa na história de se proibir a Cannabis. Foi na época em que o Egito fora dominado pelos franceses, então, por ordem do general Napoleão Bonaparte estavam proibidos o fumo e o licor feito dessa planta. Na época, Napoleão alegou que os indivíduos que faziam uso ficavam violentos e fora de si, prontos para cometerem atrocidades. Mas na verdade, a intenção napoleônica era boicotar a exportação de fibra de cânhamo para sua inimiga Inglaterra, gerando uma crise industrial pela falta de matéria-prima. Como se pode notar, essa não foi somente a primeira tentativa de se proibir a planta, mas também a primeira tentativa de se mascarar os reais interesses por meio da criminalização dos usuários.

No Brasil, data de 1929 a proibição do “pito do pango”. Porém, desde 1911, após a Conferência do Ópio, os usuários de cannabis já eram criminalizados e perseguidos, principalmente pelas ruas do Rio de Janeiro, pela mesma instituição responsável por reprimir os vadios, as rodas de samba, de capoeira e de candomblé. Durante a década de 1930, a repressão passou a ficar mais acirrada, com incursões do exército pelo Nordeste para destruir plantações e com as prisões dos primeiros “traficantes” de maconha do Brasil.
Fonte: Cultura Verde

 

Anúncios

2 respostas em “Histórico da proibição da Maconha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s