Laranjeira pode perder contrato de 114 milhões na cracolândia

A quem interessa a politica de proibição das drogas? Certamente aos traficantes, policiais, governos corruptos e sem dúvida às clínicas de reabilitação – mercado este do qual o psiquiatra Ronaldo Laranjeira entende muito bem.

O MPE (Ministério Público Estadual) entrou com uma ação civil pública contra a Secretaria Estadual da Saúde pedindo à Justiça a anulação de contrato de R$ 114 milhões firmado entre a pasta e a organização SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) para a administração de um hospital para dependentes químicos na Cracolândia, região central de São Paulo.

Conforme revelado pelo jornal O Estado de S.Paulo em abril, a entidade é presidida pelo psiquiatra Ronaldo Laranjeira, que também é coordenador do Programa Recomeço, projeto estadual de combate à dependência em crack, o que, para a Promotoria, configura conflito de interesse.

Segundo o promotor Arthur Pinto Filho, responsável pela ação, a SPDM teve acesso a informações privilegiadas sobre o projeto do hospital e, por isso, pode ter sido beneficiada no chamamento público feito pelo governo do Estado que convocou entidades interessadas a apresentar propostas.

— No início de novembro do ano passado, a SPDM já sabia sobre o prédio e sobre o projeto do hospital, mas o edital só foi lançado depois e o contrato, firmado em dezembro.

Na ação, Pinto Filho afirma que o acesso a informações privilegiadas fez com que a SPDM fosse a única com condições a apresentar proposta. “Somente isto explicaria a SPDM ser a única a ter apresentado propostas no chamamento público realizado, uma vez que o mesmo propunha prazos completamente desarrazoados para manifestação de interesse e apresentação de proposta. De fato, tem-se que as organizações sociais tinham apenas cinco dias para manifestar interesse no projeto e sete dias para apresentar suas propostas”, diz a ação.

Para o promotor, o contrato fere os princípios da igualdade, por não dar direitos idênticos às diversas organizações para participar da concorrência, e da impessoalidade, ao misturar interesses públicos e privados.

— O coordenador do programa responsável pelo chamamento público é o mesmo da organização social que se apresentou. Assim, o interesse do Estado se confunde com o do próprio senhor Ronaldo Laranjeira, que, quando na função de coordenação de um programa público estadual, é considerado um agente público e, portanto, deve servir somente ao interesse público. Todavia, o senhor Laranjeira, na qualidade de presidente do Conselho Administrativo da SPDM, também representa o interesse de uma associação privada, a qual, no caso, foi escolhida para atuar no programa do Estado.

O promotor também questiona o fato de a SPDM já ter recebido R$ 7 milhões para a realização de reforma no prédio do hospital.

— A SPDM não pode ser responsável por uma reforma, não tem essa expertise, conforme prevê seu próprio estatuto.

O pedido liminar de anulação do contrato deverá ser julgado ainda nesta semana.

via Estadão

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s